Pesca Esportiva Responsável

Notícias

Projeto Pesca Esportiva Responsável esquenta temas importantes sobre atividade

Público insistiu para que o assunto siga quente e que os encaminhamentos se concretizem; Instituto Maramar apoia a auto-organização dos profissionais do setor.

Nos dias 30 de setembro e 7 outubro, em Bertioga, o Instituto Maramar promoveu a oficina de capacitação dos guias de pesca esportiva – uma das atividades do projeto Pesca Esportiva Responsável.

ler mais…

Oficina de capacitação reúne 70 pessoas em Bertioga

Na última quarta-feira (30) o Instituto Maramar esteve em Bertioga para o primeiro dia da oficina de capacitação dos guias de pesca esportiva.
Esperávamos 30 pessoas, mas reunimos cerca de 70 para essa oficina, superando nossas expectativas. Falamos sobre o projeto Pesca Esportiva Responsável, os sete eixos da campanha e explanamos três deles. Falamos sobre Áreas de Reserva, Pesque e Solte e Técnicas de Manuseio.

ler mais…

Formação de guias

Valorização do guia como peça-chave do processo.

O Guia de Pesca é central na pesca esportiva

Além de conhecer os pesqueiros mais apropriados ao longo do ano na região, o guia de pesca local conhece a realidade, eventuais normas aplicadas à localidade, pois está atento ao que acontece no dia a dia.

Ambientes naturais sofrem alterações e mudanças constantemente, assim como qualquer atividade turística guiada. Na pesca esportiva um guia local colabora para a maior qualidade da atividade.

O conhecimento do guia é a alma  da boa pescaria

A boa pescaria não é somente aquela que obtém um bom peixe. Uma vida inteira de pescarias na região faz do seu guia um verdadeiro mestre na arte da boa pesca. Diferentes épocas do ano, condições de tempo, e pesqueiros especiais fazem parte da sua experiência, tudo isso sem falar nas histórias que vão render conversas enquanto o peixe demora a beliscar.

O guia é um multiplicador do conhecimento

Como estão sempre navegando e dialogando com diferentes públicos ligados à atividade de pesca, os guias de pesca são verdadeiros multiplicadores de conhecimento. Por isso, se os guias de pesca são parceiros de campanhas de valorização da pesca esportiva, as chances de sucesso no projeto aumentam.

Áreas de reserva

Entendimento da importância dos locais de conservação e importância do manejo das áreas e períodos de desova das principais espécies.

 

Cada espécie tem sua área de reprodução

Cada espécie de peixe tem seu ciclo reprodutivo natural. Conhecer os locais de reprodução e desova ajuda a preservar as populações e os estoques de peixes.

O respeito às áreas de reprodução e desova garantem a pesca no futuro

Conheça as áreas de reprodução das espécies e ajude assim a manter a sua atividade de pesca no futuro.

Em determinada época do ano, áreas de desova ficam mais vulneráveis

Uma determinada região do mar ou do mangue pode funcionar como área de pesca ou área de reserva. Isso acontece porque ao longo do ano as características da região podem mudar. Assim, em determinadas épocas do ano, há locais mais apropriados para pesca.

Cada região tem seu ritmo de pesca – rotatividade de áreas

Uma das maneiras de manter a pescaria durante todo o ano consiste em alternar as áreas de pesca, evitando locais mais vulneráveis. Entender como isso pode ser feito é o segredo para o futuro da pesca.

Pesque e solte

O ato de pescar e liberar colabora com a manutenção dos estoques

Pescar ou não pescar, eis a questão! A prática do pesca e solte ou “catch and release” é adotada em várias partes do mundo liberando o peixe em boas condições de volta para a água.

Respeitar o tamanho mínimo garante que parte da população tenha se reproduzido

Quando o Brasil cria uma norma de tamanho mínimo de captura isso quer dizer que teria uma idade (portanto um comprimento) em que boa parte da população de peixes daquela tamanho (ou idade) já tivessem se reproduzido ao menos uma vez.

O conceito é que com isso haja garantia de que pelo menos 50% ou mais de uma determinada população de peixes já tenham se reproduzido, podendo a partir daí ser pescado uma parte desse “estoque”.

Diversão garantida, sem ter que levar o peixe

De acordo com as condições e tipo de pescaria, é possível praticar a atividade sem ter que levar o peixe para casa, necessariamente. Esta prática é especialmente recomendada para pesca de espécies que se encontram muito vulneráveis ou com quantidades muito reduzidas. Por exemplo, um peixe que antes se pescava com frequência e agora é encontrado depois de muito tempo demonstra diminuição de sua abundância.

Em casa ou na água

É possível combinar diferentes maneiras de pescar: seja pelo prazer de ter um peixe pescado para saboreá-lo em casa, seja pelo prazer de devolvê-lo à água.

Se você pescar e soltar, nunca vai parar de pescar

Quanto mais peixe você soltar, mais peixe vai se criar. Isso é importante porque, além da pesca esportiva, existe também a pesca comercial que leva grande parte do pescado para ser vendido em feiras, mercados.

A união e o diálogo entre os pescadores de uma determina região, seja ele comercial ou esportivo, é importante para garantir o bom convívio e sucesso da atividade para todos.

Técnicas de manuseio

Conhecimento técnico da prática de pesque e solte.

Não basta soltar, tem que saber como fazer

Ao longo do projeto iremos ensinar e demonstrar técnicas de manuseio do pescado e de como liberá-lo na água para que tenhas plenas chances de sobreviver.

Técnicas de manuseio e soltura

Conhecer a maneira adequada de segurar o peixe, sua fisiologia e forma de prevenção de doenças fará com que a prática de “pesque e solte” seja um sucesso para o pescador, mas também para o peixe.

Comunicação

Estabelecer programa de comunicação e de incentivo a colaboração de guias locais.

Uma ideia boa é bem disseminada

Uma boa ideia deve ser disseminada. O projeto Pesca Esportiva Responsável visa portanto disseminar a importância da iniciativa para diferentes públicos.

Criação de uma identidade

A criação de uma marca própria irá colaborar para uma Campanha de Valorização da Pesca Esportiva. Desta forma, cria-se uma identidade para a região valorizando as atividades que dependem da natureza e o turismo.

Uma boa comunicação aumenta a chance de angariar parceiros

A ideia é atrair colaboradores e parceiros para o projeto disseminando os valores e conceitos na mídia e em revista especializada.

Divulgação e propaganda colaboram com a pesca responsável

Não resta dúvida de que todo bom destino para passeio, esporte e turismo depende de uma boa imagem e comunicação. A partir desta iniciativa haverá maior divulgação da região, o que atrairá público para realizar pesca esportiva consciente e responsável.

Controle e monitoramento

Levantamento de dados de pesca para avaliação das atividades adotadas.

Defendendo os interesses da pesca esportiva

O projeto Pesca Esportiva Responsável busca, por meio da coleta de informações, reunir dados das atividades de pesca de maneira organizada, de forma a demonstrar a importância da pesca para a região.

Estas informações poderão ser utilizadas na defesa dos interesses da pesca esportiva junto aos setores que trabalham esta atividade.

Cada guia de pesca é importante neste processo!

Cada guia de pesca participante do projeto terá uma caderneta individual para anotações técnicas do seu dia a dia de trabalho. Uma forma de anotação semelhante ao que usam mergulhadores ao registrar suas atividades.

Informação para gestão

Para adquirir conhecimento de como a pesca é realizada na região, os pescadores e guias participantes serão convidados a organizar voluntariamente os dados coletados. Estas informações serão tabuladas e expostas em locais de grande circulação de pessoas para assim ser de conhecimento de todos.

Ninguém é obrigado a nada

A construção do nosso projeto parte da premissa que cada colaborador é voluntário e somente irá participar se compreender a importância do projeto. No entanto, toda a região que tem um setor organizado ajuda a defender a atividade, a argumentar a favor e possui embasamento fundamentado em informação fidedigna para propor melhorias.

Quanto da captura envolve a pesca artesanal e quanto da captura envolve a pesca esportiva ?

É comum em áreas de atuação de pesca artesanal e esportiva haver interesses específicos de cada setor. Saber o quanto os pescadores artesanais pescam se comparados aos pescadores esportivos é fundamental para planejar melhor as atividades de cada um.

Como o Canal de Bertioga é conhecido como umas das regiões mais lindas nas proximidades da grande área do Porto de Santos ele tem recebido cada vez mais visitantes, pescadores e atividade náutica, o que exige cuidados para evitar a superexploração do recurso.

Geração de renda

Atingir governança própria, através da adesão de parceiros e sustentabilidade econômica.

A renda de um gera renda para o outro

Como as atividades estão interligadas – locação de barcos, contratação de guias, compra de iscas, combustível, material de consumo – um acaba ajudando o outro. É um benefício em rede.

Atividade diferenciada – guia diferenciado – preço diferenciado

É natural que à medida que a atividade torna-se melhor organizada, agrega-se maior valor à pescaria, garantindo notoriedade à região e renda à população.

Quem cuida, tem pra sempre

Em lugares onde não há um bom planejamento da atividade pesqueira, os impactos sobre as populações de peixes são maiores e, por isso, há menos pescadores trabalhando. Ao cuidar da atividade de forma coletiva, ela se mantém para sempre, garantindo a renda das pessoas que dependem dela para se sustentar.

Guias organizados e marca própria qualificam o turismo e colaboram em sua divulgação

Com organização, informação e comunicação, o turismo da pesca esportiva tende a ser cada dia melhor, atraindo novos participantes.

Apoio:

Instituições parceiras:

CMDPESCA

Inscreva-se em nossa Lista!

Inscreva-se em nossa Lista!

Participe de nossa lista e receba nosso boletim por email.

Por favor cheque seu email e confirme a inscrição.