Para buscar saber quais são as origens da água na Prainha Branca, a equipe de campo do MARAMAR se embrenhou durante dias a fio dentro da Mata Atlântica tentando localizar os olhos d’água. Tivemos o apoio da Sociedade Amigos da Prainha Branca (SAPB) e dos guias comunitários Geraldo e Hélio, que nos ajudaram a fazer o mapeamento e delinear futuras estratégias de intervenção local.

No total, foram consumidas 36 horas; percorridos 3,5 km; documentadas 368 imagens; georreferenciados 839 pontos (pontos de captação, potências áreas de intervenção e captação, locais de armazenamento, nascentes, trechos de rio); conduzidas 18 horas de conversa; degustadas 6 tainhas e 4 bicudas, além das amizades construídas pelo caminho.

Gostou? Compartilhe

Inscreva-se em nossa Lista!

Inscreva-se em nossa Lista!

Participe de nossa lista e receba nosso boletim por email.

Por favor cheque seu email e confirme a inscrição.